Encontre!

setembro 25, 2010

# Dia 3 - Uma carta para meus pais [mãe]

Por algum tempo sentí-me culpada. Sentia culpa por ter encerrado suas possibilidades. Culpa por ter restringido seu futuro. Culpa por te enclausurar. Acho que é por isso que não quero ter filhos. [não.freud.não.me.explica]. Acho que, também, por isso, tentei tanto, e tanto, e tão exaustivamente ser perfeita. Sem nenhuma falha, sem nenhuma mácula, sem nenhum porém. Queria, sabe, causar "orgulho". Mas... eu sou humana, é só isso que sou [por mais que eu seja filha de super heroína], por mais que eu tente, sempre serei humana. Isso já não me aborrece tanto, mas confesso que me frustra. Eu sei que nunca vou conseguir retribuir. E por mais que eu busque a excelência em cada gesto, em cada passo, o meu ballet é meio desengonçado. As vezes creio que queria-me estátua, uma estátua bonita que serve pra efeitar, mas desculpa se eu nasci alma do vento... Não sou joaninha, sou dragão. Não sou bailarina, sou surfista. Não sou flor do campo, sou cacto. Não sou água, nem vinho... sou coca-cola. Eu juro que faço o meu melhor, mesmo o meu melhor sendo pequeno para as nossas expectativas. Acredito que o lance, na verdade, se  resuma ao fato de que te tenho como exemplo [nunca.vou.ser.grande.como.você]. Eu não quero que você morra. Te quero viva pra sempre e, não só na memória, mas viva de viva, sabe? Acho que perderei o chão, o céu e alma, quando você morrer.

Um comentário:

vivianeamaral disse...

Posso não saber do que falo.
Mas dê um jeito dela ver isso.
Vai fazer bem pra vcs duas.
(mas eu posso não estar sabendo do que falo...)

bjks. Vi